segunda-feira, 12 de maio de 2008

Estava um dia com uma iluminação de lusco-fusco permanente. Eu caminhava de um lado para o outro, como animal enjaulado, de olhos semi-cerrados, como estratégia de filtragem da irritante luz. O comboio é anunciado e os meus olhos sorriram de alívio. Sentei-me no primeiro lugar que vi, senti-me felizarda por ir sentada. Abri o jornal. Não prestei atenção, não estava nos meus dias. Li as gordas com a lassidão própria de um Marajá. Uns números que surgiram em sub-título, 1 - 11 - 16 - 21 - 28 - e - 5 - 7, pareceram-me terrivelmente familiares, mas ao lado estava uma fofoca cor-de-rosa que parecia muito mais importante. Chegada ao Rossio, reparo que ainda faltam 45m para entrar no trabalho. Opto por tomar um café enquanto leio mais algumas páginas de um livro que estava na carteira.
O empregado reconhece-me (sou cliente habitual) e pergunta-me se já confirmei o meu jogo. Respondo que nem me recordava de tal e entrego-lhe o pequeno papel. Ele volta pouco depois com cara de caso e entrega-me dois papeis. Diz-me ao ouvido; "O melhor será ir até ao banco e depositar isto!". Não fiz caso, estava mesmo distraída. Agradeci, paguei o café e saí, sem ler nada. quando me dirigia para o metro, um raio de lucidez atingiu-me e então apercebi-me da familiaridade dos números do jornal. Olhei para o talão que o rapaz havia dado e lá estavam eles de novo. Olhei à volta. Mesmo ali nos Restauradores, uma agência da Caixa Geral de Depósitos. Dirigi-me ao Balcão (estranhamente não estive 2 horas à espera) e mostrei o talão. O Sr. sorriu, como eu ainda não havia feito e disse-me que ficasse descansada, tratariam de tudo. Assinei duas folhas e o mesmo homem disse-me que adiantariam dez milhões. Porque não?!
Telefonei ao escritório e disse que estava doente, talvez ficasse em casa a recuperar durante uns dias. Desejaram-me as melhoras e eu ri-me, alto e em bom som, quando desliguei o aparelho portátil. Finalmente festejei. Comprei coisas, muitas coisas. Coisas para mim, para os que me são próximos e para os que já nem por isso, mas comprei na mesma, podia ser excêntrica. Comprei quatro casas (sonho continuamente protelado), contratei arquitectos e uma empresa para as recuperar segundo as minhas instruções. Comprei quatro carros, um para cada membro da família mais chegado (incluindo o meu cunhado). Organizei uma festa de celebração. Na festa conheci o homem da minha vida, dos meus sonhos. Casei-me (coisa que jurei nunca mais voltar a fazer) e tive dois filhos lindos. A vida corria bem.
Depois uma noite estou a dançar com o meu marido e, uma mudança brusca e sem sentido de música transporta-me de Frank Sinatra (I've got You Under My Skin), para climas mais tropicais, onde Los Mescaleros tocavam Mondo Bongo ao vivo e a fisionomia do meu parceiro, como que por efeito especial duma classe de letra de fim de abecedário, muda e eu sou substituída por uma Angelina Jolie, que dança vestida de branco. Eu afasto-me, observo-a a dançar com um embriagado Brad Pitt, depois espreguiço-me e sinto-me quente. Abro um olho. Uma luz azulada, pisca do meu lado direito e reconheço o toque.
 
Levanto-me, desligo o alarme do telemóvel. São quase oito horas. Deixei-me dormir.

Categories: , ,

1 Ideia(s):

David Santos disse...

Espero que esse teu sonho se concretize. Quando a Angelina ficar sozinha, arranja-me os contactos dela.

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!