terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Nunca fui grande adepta das mensagens escritas por telemóvel, a não ser que sirvam, unicamente, para fazer uma comunicação cuja resposta seja sim, ou não. Sempre achei que acabava por ser mais rápido pegar no telefone, dizer o que queria à pessoa do outro lado, ouvir o que essa pessoa tem a dizer e esclarecer logo tudo, o que tiver que ser esclarecido, pois sempre que utilizei os "sms" para conversas, estas prolongaram-se por eternidades, as coisas não ficaram esclarecidas e houve, quase sempre, algum tipo de mal entendido.
Isso sempre foi algo que me fez alguma confusão, pois sempre considerei a "palavra escrita", cristalina, pura e isenta de segundas intenções. Quando se escreve um "Não", a palavra não pode, não deve, ter outro sentido para além do "Não". Quando se diz "Não", muitas vezes esse "Não" pode ser irónico, algo que é normalmente acompanhado por uma inflexão na voz, um riso nos lábios, um piscar de olho, um movimento qualquer do corpo que acompanha o som da palavra e que transforma um "Não", num "Sim", num "Talvez".
Quando lemos uma longa narrativa, também conseguimos depreender novos significados a trechos inteiros, a palavras ou frases. Mas quando uma mensagem fica reduzida a umas dez palavras, apresentadas numa forma simplificada de escrever, não pode ter espaço a segundas interpretações, a metáforas ou ironias. Mas tem! Não sei bem como, mas tem! As palavras são mal interpretadas, ganham segundos significados que nunca passaram pela cabeça de quem as escreveu e ficam diminuídas a um significado que apenas diz respeito à própria personalidade de quem as leu.
Nas aulas de Português, ninguém compreendia porque tínhamos que saber a vida do autor (algo mais relacionado com a cadeira de História), antes de lermos a sua obra. Mas um professor (não me recordo do ano, pois para mim foi sempre o meu professor de português, independentemente de todos os outros que tive), explicou, com toda a naturalidade com que as coisas lógicas merecem, que tal acontecia, porque tínhamos que ver a sua obra com os seus olhos e não com os nossos. Se mais tarde nos identificamos com os sentimentos e ideias do autor, óptimo, mas se não, então as palavras do escritor, são as palavras do escritor e não um reflexo do que nós queremos que elas sejam, ou da nossa alma.
Creio que a maioria das pessoas esqueceu-se dessa lição (eu também), ou então, nunca a compreenderam. Se o tivéssemos feito, nunca leríamos um "Não" como um "Sim" e nunca acharíamos que algo escrito por outra pessoa (que muitas vezes o faz a contragosto), pudesse significar algo diferente daquilo que as palavras significam.
Quando uma pessoa escreve, está a finalizar um acto pensado, reflectido e preparado. Pensar que essa escrita, esse código, está aberto a interpretações resultantes de uma "transpolação"(será que esta palavra existe?) de sua própria personalidade, é um erro crasso.
O escritor na altura que escreveu, já sentiu, pensou, racionalizou e definiu o que queria. Mais tarde, pode vir a pensar, sentir e racionalizar outra coisa oposta, mas o significado da palavra que fora anteriormente escrita, não altera a não ser que outras palavras sejam de novo escritas como culminar desse novo processo.
Bem, mas já divaguei demasiado e a conclusão deste desabafo é que: Nunca mais vou trocar mais do que 2 mensagens sobre o mesmo assunto, com a mesma pessoa. E sim, isto foi resultado de um processo no qual senti, raciocinei (quem diria!) e codifiquei.
Categories: , ,

6 Ideia(s):

tragofadonossentidos disse...

Para ser sincero começa a irritar-me solenemente esta nova moda de comunicação, primordialmente, por SMS. Porque, na minha opinião, não há só o problema de mal entendidos quanto ao tom da mensagem, mas também quanto ao seu próprio conteúdo.

Por vezes somos assaltados por autênticos atentados à lingua portuguesa, com textos absolutamente indecifráveis, cheios de ks, xs e abreviações que só devem existir na mente do emissor da mensagem.

bjs,
Nuno

Mara disse...

Caros primos, Iris e Nuno, Estou aqui em defesa das minhas grandes amigas SMS's =D

Existem pessoas (como eu) que utilizam as sms de maneira inteligente, expressando as suas emoções com smiles =), =P, =( ou expressões do tipo "eheh", "lalala", "snif", etc.

As sms's tornam-se aborrecidas assim como um diálogo se pode tornar também aborrecido, isso depende do tema de conversa e das pessoas envolvidas nela.

E quanto aos ks e xs, isso é apenas uma maneira de tornar as sms's mais agradáveis e de cada pessoas ter uma maneira própria de escrever. Aí está mais uma maneira de tornar as sms mais pessoais e de expressar emoções nas sms's...

Aprendam com aqui com a priminha, já que eu aprendo tanto com vocês...

Ataque de beijinhos =P

Adoro-vos...

Mara

Iris R. Costa Barroso disse...

Já contava com o ataque por parte dos adolescentes... :D

Eu não tenho nada contra as diversas formas de expressão, apenas tenho tido algumas dificuldades em relação aos sms's.

Quanto aos xs e ks, realmente não entendo, não é uma forma de simplificação porque amaioria dos ks, podem facilmente ser substituídos pelos portugueses qs e os xs, não têm qualquer tipo de utilidade de síntase, uma vez que que não substituem, nem diminuem nada. Mas chega de aulas q (q, não k) não sou professora.

O último comentário que deixo aqui é sobre a personalização das sms's. Meu amor, se todos vocês (leia-se: pessoas que usam frequentemente sms's) usam os xs, kx e outros atentados à língua lusa, que tipo de personalidade cada um atribui? Não são todas as mensagens iguais? Não passou isso a ser um novo código linguístico? Utilizar ks e xs, é apenas fazer como os outros... Não achas amor?

Mara disse...

Nao és professora... mas podias muito bem ser =P

Se comparares bem sms's escritas por diferentes pessoas, vais ver que não são iguais, há sempre coisas diferentes, assim como um escritor não escreve sempre da mesma maneira.

Mas também concordo que existem pessoas que dão chutos na gramática, mas prima... esses tanto o fazem em sms's como a falar xD

Eu utilizo ks e xs para tonar as sms's mais "fofinhas" xD assim consigo por uma certa barreira entre as coisas que escrevo formal e informalmente, entendes?

Tu és aquele caso excepcional. Para ti escrevo sms's sem abreviações, ks e xs, porque sei que depois gozas com as minhas sms's se assim não o fizer xD

P.S.- xD = gargalhada (podias não saber) xD

Beijo...

Mara

tragofadonossentidos disse...

Mara,meu amor, não tenho nada contra a personalização de SMS's. Só estou contra os crimes de morte que se cometem contra a nossa língua.

Tal como a iris disse, a partir do momento em que determinado tipo de linguagem se torna num código utilizado por uma vasta parte das pessoas, deixa de haver personalização, vide ks e xs.

Mas o que me irrita verdadeiramente, é ter de estar mais de 40m para conseguir decifrar uma mensagem cheia de ks e xs e frases que perdem por completo o sentido, de tão mal escritas que estão.

Beijo grande do teu primo que te adora,
Nuno

PS: =P (Vês como também sei aderir às novas linguagens.

Anónimo disse...

Nem sabem o que sofri para entender os recados da minha filhota Mara por sms.
Mas, evolui, ou seja retrocedi, e já entendo tudo, mal de mim se não entendexe (lol), fikava a penxar k ela tava na exkola e tava notro xitio, pexebeste Iris ?ok, realmente no meu tempo nã havia sms mas tambem tinhamos codigos como a lingua dos P, lembras-te Iris ?
Deixo aqui um grande beijo para o Nuno, e obrigado pelo amigo que és para a Mara.
Beijokas LOL
Carla Ramos

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!