terça-feira, 9 de dezembro de 2008

 

 

Há alguns dias (mesmo muito poucos), uma adolescente de 16 anos, acusou-me, publicamente, de ser a "Rainha das Tradições" e de ter uma imaginação demasiado fértil (Está descansada que eu sei que foi com boa intenção. Ainda não foi desta que o pai Natal te tirou da lista.)

Fez-me pensar e tive uma conversa comigo mesmo, demasiado longa, confusa e socrática, para aqui a reproduzir. Pensei e repensei, escrevi e rasguei, reescrevi e voltei a rasgar, escrevi uma última vez, li e cheguei à conclusão que, no mundo em que vivemos, na vida que tenho tido (com este eterno ganhar para depois perder), talvez e apenas essa imaginação, esse agarrar de pequenas coisas, tenha sido a razão para continuar com a vida.
 
Continuo, dia após dia, mês após mês, ano após ano, porque apesar de tudo, ainda acredito, ou pelo menos (se formos literais com a palavra imaginação), penso acreditar, que a vida vale a pena viver, que o Mundo está cheio de coisas boas e que a magia e todos os seus porta-vozes, nunca permitirão que a esperança morra... pelo menos a minha!

5 Ideia(s):

André disse...

De uma canção do Jorge Palma "..que seria do amor sem a imaginação..:"

Iris R. Costa Barroso disse...

André,

Algo muito, muito, muito, muito, repetitivo?!

Mara disse...

Priminha,


Eu penso que a imaginação é algo essencial quando nos sabemos distanciar dela e voltar ao mundo real quando é necessário.

Um aspecto positivo que, a meu ver, tu tens em abundância, é o facto de não te ficares só pela imaginação na maioria das vezes. Tu imaginas, voltas a imaginar mais mais pormenorizadamente, pensas numa maneira de realizar o que tens em mente e, por fim, surpreendes todos quando, finalmente, o realizas mesmo. Isto verifica-se nas pequenas coisas, nos pequenos agrados (a tua vontade de ver os outros felizes está sempre visível), mas penso que, no futuro, conseguirás também passar os "sonhos grandes" para a realidade. Isso apenas depende de ti, aredito nas tuas capacidades.

E se achas que, ao agarrares-te às pequenas coisas boas que a vida trás, consegues alcançar mais fácilmente a felicidade, então é a elas que te tens que agarrar.

Para mim, as pequenas coisas têm muito significado. O simples sorriso da nossa pequenina quando nos sentimos mais frágeis é bem mais reconfortante do que a ideia de ganhar o euromilhões. E essas pequenas coisas a que nos agarramos, são bem mais importantes do que qualquer sonho material.

Voltando à imaginação, espero que continues com o mesmo grau de "fertilidade cerebral"!! Sem ela, até este blog seria bem mais monótono.


Beijo!!!

Eunice disse...

A lua se tornou mensageira,
Em cada lua cheia entrega um beijo meu,
As estrelas se tornaram testemunhas,
Em cada céu limpo, do meu olhar calado mirando o nada,
Promessas soltas, jogadas ao vento da noite fria e só.

A lua em cada beijo que lhe entrega também te banha de candura,
As estrelas tentam guiar o meu olhar um pouco mais pro sul,
E assim já tenho um horizonte mais limpo.
As promessas passam a ser tão reais e tão sinceras.
A noite ainda é fria e só.

Não se esqueça amor,
Não sou feiticeira,
Amo a natureza e nela busco inspiração,
Mas não se esqueça do meu amor pela lua,


Nana ´De Má



Que seria de nós sem algo para sonhar, pensar e por vezes irmos mais além....

Beijinhos!!!!

Iris R. Costa Barroso disse...

Imaginem um cenário na Lua, onde contamos estrelas no nosso regaço e agora imaginem-me a dar-vos beijinhos.

Beijnhos na Lua, priminha e maninha.

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!