sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Cenário: Grupo de três amigos, depois de um jantar em casa, duas horas de risco, duas horas de um DVD, duas garrafas de vinho tinto, vodka e água tónica.
1 - Adorava ser um gato.
2 - Um gato para quê?
3 - Ela quer ser a catwoman... - risos.
1 - Porque adorava deitar-me ao sol todo o dia, à noite receber festinhas do dono e ronronar no seu colo enquanto vê um pouco de televisão.
3 - Sempre podes casar com alguém que te sustente. - Serve-se de mais vodka.
2 - Só um homem para dizer algo tão absurdo.
1 - Sim, só um homem. - indigna-se por não ter sido entendida.
3 - Não percebo tanata indignação. Não disse nada de novo.
2 - Não tem nada de novo, mas é ofensivo para uma mulher moderna, para além de que não foi nada disso que ela quiz dizer.
1 - Pois não!
3 - Ilucidem-me...
1 - É mais do que a ausência de um trabalho, emprego, de obrigação. Tem mais a haver com a liberdade, com a ligeireza com que os gatos passam por este mundo: a sua memória curta; o seu corpo ligeiro; os seus afectos convenientes; a independência é total.
2 - Até que ponto se pode considerar independência, se nunca tiver havido nada de que se dependesse?
3 - A mais não seja, é-se dependente do facto de se ser independente.
2 - Isso é o vodka a falar. - o 3 e a 1 riem-se. - E um gato doméstico apenas é independente, porque depende do dono para tudo o que podia comprometer a sua independência.
3 - Na realidade é como continuar criança eternamente.
2 - Mas uma criança recorda e todo o ser humano é dependente das suas memórias. Eu não entendo o conceito de se ser independente.
1 - E eu só quis, por alguns minutos e sobre a influência do sono, ser um gato.

5 Ideia(s):

John Doe disse...

Também a mim às vezes me apetece ser gato, na sua independência dependente...

Ominona disse...

Adoro os gatos exactamente por aquilo que referiste. Principalmente a sua independência e personalidade vincada.
bj, vou espreitando o blog;)

Iris R. Costa Barroso disse...

é um facto... ser dependente, trás muita independência

Anónimo disse...

Pois sempre que estou a dar de comer aos meus gatos penso no mesmo, sobretudo quando vejo o meu marido a papar um jogo de futebol da conchichina vs afeganistão a fazer incansavelmente festas aos gatos e qd eu peço, apenas recebo uns 5m de massagens nos ombros.

Tamém eu gostava de ser um gato... a sério que gostava.

Iris R. Costa Barroso disse...

Homens...

Futebol e festas nos gatos, quando uma mulher linda e devota, fica de lado...

O que eles perdem meu Deus!

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!