sábado, 3 de outubro de 2009

 

Uma vez, há muitos anos atrás, numa conversa com uma amiga, estava a contar-lhe que estava muito envolvida com alguém. Que me sentia a apaixonar  por um rapaz que eu achava que seria o meu futuro marido e pai dos meus filhos. Algo que se veio a concretizar por metade (não podemos ter tudo).

Tratava-se de uma conversa típica de adolescentes, no entanto, ela fez-me uma pergunta que me deixou algo desconcertada:

- Trata-se de amor, ou luxúria?

- Existe diferença?

- Creio que sim.

- E qual é?

- Acho que no amor, o importante é dar, enquanto que num estado de luxúria, queremos sempre tirar, tirar tudo do outro, retirar o máximo proveito de forma egoísta, para proveito próprio. – fiquei a pensar no que ela me disse – O que é que tu sentes: Vontade de dar, ou simplesmente de receber?

- Na verdade, um misto de ambos.

- Como assim?

- Tenho vontade de lhe dar, dar muito amor e carinho, dar compreensão e oferecer a minha amizade incondicional, dar-lhe o meu corpo, oferecer-me por inteiro, entregar nas suas mãos a minha alma.

- Então é amor!

- De certa forma… Mas não posso dizer que seja só isso. Eu quero algo em troca.

- O quê?

- Quero o corpo dele, quero sentir o calor que ele transmite enquanto me abraça, quero sentir continuamente o prazer que faz estremecer o meu corpo, quero sugar dele o último fôlego com os meus lábios. Quero retirar-lhe tudo, enquanto dou tudo de troca. – ela desatou a rir. – O que foi?

- Tu queres é ir parar ao Inferno. Estás possuída!

Não me perguntem porque me recordei disto agora, mas estava a pensar na minha adolescência e a ver umas fotografias de quando tinha 15 anos, quando esta conversa saltou da caixa de recordações que se encontra algures no meu cérebro. Há coisas assim!

5 Ideia(s):

Liliane disse...

é tão recordar essas coisas... Por vezes também me acontece isso... Quando estive a mudar de casa aconteceu-me muitas vezes porque reencontrei coisas que me fez regressar ao passado.

beijinhos

Francisco disse...

Upsss...

Acho que estou possuído...

E vou parar ao inferno...

Iris R. Costa Barroso disse...

Liliane,

É um pouco melancólico, mas por outro lado, permite-nos tomar noção do nosso crescimento como pessoas, seres humanos, ver a evolução, ou não, das nossas vidas!

Nao vejo nenhum mal nisso.

Bjs,

Iris R. Costa Barroso disse...

Francisco;

Creio que vamos todos, pelo menos se os critérios forem os que espalham por aí...


Bem vindo!

Luis disse...

não consigo concordar, acho que no sexo dar prazer é em si uma fonte de prazer, por isso a luxúria e a generosidade também podem andar de mãos dadas ;)

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!