terça-feira, 19 de maio de 2009

Não quero acusar ou defender ninguém e antes de continuar com esta mensagem tenho que confidenciar, que tenho evitado ouvir noticiários nos últimos dias e até lido jornais, simplesmente porque já não aguento com tanta incompetência e ineficácia, tanto dos jornalistas, como do governo, como do Mundo, como de mim, que me sinto impotente para fazer seja o que for para mudar o rumo das coisas. Mas acontece que quando se sai todos os dias para trabalhar e todos os dias se abre a internet, não ser bombardeada com a notícia do momento é impossível e foi o que aconteceu esta manhã.

Li esta notícia linkada por um outro blog (aqui), e antes de ter ouvido a gravação, o primeiro pensamento, foi:

“É impossível distanciar a História do sexo. O sexo esteve e está presente em todos os grandes acontecimentos históricos. As orgias sexuais, faziam parte integrante da cultura de todas as sociedades pré-cristãs (gregos, romanos, egípcios, otomanos e até pré-históricas), pelo que não vejo como podem suspender uma mulher por ter abordado o assunto durante uma aula de História. As “crianças” aos 15 anos já não são inocente e têm obrigação de saber o que é o sexo, como se faz e o que se faz com o mesmo (é claro que ninguém aos 15 anos é criança e tratá-las como tal, resulta de uma infantilização que apenas favorece os adultos que se tornam mais válidos na sociedade com o retardar da independência dos jovens).”

Infelizmente, o meu pensamento teve que ficar por aqui, pois o que se passou naquela sala não foi nada do que estava a imaginar e a prepotência, a ignorância, a ineficiência e a simples inexistência de qualquer resquício de um professor de qualidade naquela senhora, é simplesmente atroz. É pena que a maioria dos professores de hoje, sejam incapazes de introduzir o sexo como um tema natural nas suas aulas, que seja incapazes de manter uma conversação casual sobre o assunto e que se reduzam a isto. Desta forma o sexo continuará a ser visto pelos pais e pela sociedade como um tabu, um monstro, do qual se tem que avisar às crianças para fugirem, denunciarem e queimarem na fogueira.

Sinto-me triste, desolada e durante mais algum tempo, vou voltar a introduzir a minha cabeça no buraco, como uma avestruz.

12 Ideia(s):

Jorge Freitas Soares disse...

Olá

Curioso, porque quando li a noticia no publico e nos outros sites de jornais online o meu pensamento foi muito parecido com o teu... achei que mais uma vez havia uns pais armados em pudicos.

Sabes uma coisa, se calhar eu preferia que fosse isso, sou pai e aterra-me a ideia de que um destes dias, esta senhora ou alguém como ela, se dirija aos meus filhos naqueles termos... e não, não estou a falar da conversa das orgias e da parte sexual.. estou a falar do resto.. o resto é o que me assusta.

Quanto aos jornalistas, sem duvida, um trabalho deplorável, a ideia com que fiquei é que exceptuando a SIC, leram todos a mesma noticia na Lusa e afinaram todos pelo mesmo diapasão... as orgias e a conversa sexual.. nada a que não estejamos habituados.

Jorge

Iris R. Costa Barroso disse...

Jorge,

Isso assusta qualquer ser com mais de dois dedos de testa.

Para mim um verdadeiro filme de terror seria feito apenas com este tipo de cenas quotidianas. Os verdadeiros monstros da espécie humana.

Kruzes Kanhoto disse...

Deplorável é essencialmente o linguarejar utilizado pela professora. Provavelmente com alunos mais velhos teria levado um par de estalos...que teriam sido muito bem dados!

entremares disse...

Fiquei confuso com tudo isto, reconheço...

1º - Neste caso, já se passam na TV gravações de aulas ( clandestinas e não autorizadas pelo juiz ). Não será proibido ?

2º - A professora está já linchada publicamente.( Não era melhor esperar pelo processo ? )

3º - Mais uma vez, são os media que substituem os juizes, ao dissecar extractos e partes dos factos.

Parece-me que aquela professora poderá estar muito por fora da realidade, confundindo sexo e sexualidade, aulas de história e aulas de educação sexual, etc...
Mas seja lá como for, a comunicação social exagera. Uma coisa é expôr o sucedido, para levar a que as autoridades competentes actuem ( e espero que o façam, porque a linguagem utilizada e a prepotência são inaceitáveis ). Outra coisa é "esticar" a noticia, a ver se as audiências sobem...

O que se passa ? O tema da menina inglesa desaparecida já não vende o suficiente ?

Iris R. Costa Barroso disse...

Kruzes.

O linguajar, a atitude, a forma como tudo se processou é que é deplorável, não o tema em si.

Boa semana!

Iris R. Costa Barroso disse...

Entremares,

Se é proibido? Não creio, não estamos num tribunal. A gravação pode não ter valor jurídico, mas tem certamente valor jornalístico e tem valor de prova para aquelas crianças que foram abusadas verbalmente por aquela mulher e a partir de agora nem sequer vou chamá-la de professora, pois nem de perto e de longe, aquela mulher sabe o que isso é.

O tema a mim não me assusta e deve, inclusivamente, ser abordado com jovens que chegam à puberdade, mas há formas de o fazer e aquela não podia ser mais errada.

A comunicação social exagera, sem sombra de dúvida, nem sequer questiono isso e já ficou referido aqui nos comentários e na minha mensagem, mas a verdade é que entre algo que ninguém sabe o que se passou, e entre algo que está registado, eu prefiro que dêem esta notícia, em vez da menina inglesa, que para mim, pelo menos de uma forma moral, os culpados, andam a gastar mal o dinheiro que lhes foi dado para acharem a filha.

Boa semana!

Anónimo disse...

Eu ao contrario de ti vi a noticia na tv, logo vi o video e fiquei de boca aberta...
Só pensei na nossa Mara, e sei que se fosse com ela , ela não se calava perante uma professora( embora ela nem tenha o direito a ser chamada assim) como esta.
Realmente o tema sexo não é razão para haver confusão, mas sim ,
como a dita falou sobre o assunto e como ofendeu os alunos e ate a mãe de uma das alunas por se achar superior, ai se fosse comigo..
Enfim , este é o nosso mundo, e pelos vistos um curso superior não deu a educação nem bom senso a esta mulher.
O que me anima é que ha muitos bons professores, e tenho a sorte de conheçer alguns.
Beijos linda

Iris R. Costa Barroso disse...

Carla,

Foi exactamente a pensar na Mara e também na Iara, que já não falta muito para ter 12, que eu escrevi isto.

Se tivesse sido ma das professoras delas, já estavas a ver aonde é que estaria a boa da Iris, não?!

Comparar currículos seria delicioso e depois seria um prazer corrigi-la a cada frase. Seria ela: Fizestes... Seria eu: Fizeste... Seria ela: Portantos.... Seria eu: Portanto... Seria ela: amiguíssimos... e Seria eu: A rir à gargalhada na cara da senhora a ver quando é que ela se tocaria e depois sugeriria voltar a fazer a primária, pois não aprendeu nada por lá.

Isto se tivesse a ousadia de me tratar por tu, como fez com os alunos.

A parvoeira daquela senhora de querer comparar comportamentos! Absurda, a senhora é simplesmente absurda, por qualquer réstia de razão que pudesse ter para estar irritada, perdeu-a toda com o estalar do verniz.

Há com cada uma!

Lu disse...

infelizmente o jornalismo sério, isento, objectivo, está a tornar-se raro neste país. quanto ao resto... não comento, já tanto foi dito sobre aquela senhora professora que tudo o que se possa dizer mais não vai acrescentar nada à história. =(

Humildevaidade disse...

Tive o mesmo pensamento... antes de ouvir a gravação discuti, com os meus pais, mais uma de tantas vezes, a vergonha com que a igreja nos obrigou a olhar o sexo, o corpo, a nossa natureza... enfim. Muito me arrependi... não sei qualificar aquilo que aconteceu. Tudo o que saiu da boca daquela mulher foi ao lado, muito ao lado mesmo... tudo! Tantos anos a estudar para nada... a formação académica é mesmo a mais fácil de se obter... e o resto?

*

Iris R. Costa Barroso disse...

Lu,

Pois não! Não há mais nada a dizer, ela já fez a sua cama, dizendo demais.

Bem vinda!

Iris R. Costa Barroso disse...

Humildevaidade,

É complicado não sentir o que sentimos e temo que o futuro seja o aproximar galopante do falso puritanismo americano.

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!