sábado, 16 de maio de 2009

NiSnx9fdxenn8u2tR5M83RUzo1_400 A tensão subia, o tempo alongava-se e distendia-se para dar lugar a mais tempo e todos os movimentos  tornavam-se perpétuos.

O meu corpo sentia mil e um estímulos e tremia enquanto sucumbia ao prazer carnal.

Categories: ,

8 Ideia(s):

Vulgar disse...

será que é mesmo carnal?
um beijo e boa semana

Iris R. Costa Barroso disse...

Vulgar,

Começa sempre como carnal, raras vezes chega ao divino e espiritual, mas quando chega, chega para muito tempo.

Boa semana!

Iris R. Costa Barroso disse...

Vulgar,

Explicando melhor, porque acho que a minha explicação não foi clara e fiquei com dúvidas sobre o que falavas, estou a falar de sexo, por isso, é sempre carnal, mesmo que haja algo mais, algo que transcenda a carne.

Espero que me tenha explicado.

Beijo e boa semana!

Piloto Automatico disse...

A tua explicação transparece na escolha do tempo do verbo, pretérito-imperfeito, que infere na continuidade da acção.
Quanto ao assunto em si, cara Iris, toma lá um afecto só por teres dito isso, porque estou farto de ouvir patranhas em que o sexo apenas pode aparecer como consequência de "algo mais transcendental" e com a alegórica denominação de "fazer amor".
Arre gente limitadazinha.
Bjs
F

Iris R. Costa Barroso disse...

Piloto,

Obrigada pelo afecto! Mas não foi nada de mais, eu digo sempre o que realmente penso. ;)

Boa Semana!

Vulgar disse...

vamos lá ver se a gente se entende...o prazer que o sexo proporciona é tremendamente mecânico, e não vou entrar em detalhes, para isso qualquer busca na net é suficiente.
é evidente que se também existirem afectos a percepção de plenitude e satisfação poderá ser mais gratificante.
portanto estamos a dizer quase o mesmo de formas diferentes, acho.
apenas não gosto do termo "carnal" já que o prazer é um conjunto de informações processadas no cérebro como resultado de combinações químicas, e descargas eléctricas, etc... e foi nesse sentido que deixei a pergunta.
bjs

Iris R. Costa Barroso disse...

Vulgar,

Explicado e entendido o ponto de vista.

Nada como troca de impressões para nos fazermos entender.

O meu problema não era com o facto de o cérebro comandar o corpo e de tudo começar por aí! O meu problema seria se estivesses a atribuir a isso, emoções nobres e amorosas, longe do simples acto instintivo do ser humano, pois não era disso que o texto falava.

Estamos em sintonia então!

Já falta pouco para o fim de semana.

fabulosa disse...

alô! alguém falou em prazer? ;)

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!