quinta-feira, 7 de maio de 2009

4453046-lgAo ler uma mensagem de um blog que já não existe, num blog que sigo, fiquei com vontade de dissecar esta dicotomia do ser humano, ou pelo menos, em mim. Sobretudo depois de ter respondido a um comentário aqui no meu blog hoje.

Depois de ter pensado melhor, de ter passado em revista os meus actos e atitudes perante a vida, nos últimos anos, cheguei à conclusão que  recuso-me a criar expectativas, mesmo quando estou encantada por algo. E porquê?! Porque desta forma, evito o desencantamento, arriscando apenas o desinteresse.

Creio que são formas de se estar na vida, no palco, no mundo, com os outros. A verdade é que cada um procura a felicidade da forma como a vê e, como tal, actua de acordo com essa visão. Se para alguém algo de positivo é sempre seguido de algo negativo, também vê na felicidade algo com prazo de validade e que, inevitavelmente, acabará com o inverso, ou seja, se se encanta, também se desencantará. Eu não o vejo assim. Não vejo obrigatoriedade neste jogo de contrários, de antagonismos. Acho que viver no intermédio, sabendo que as coisas podem não ser eternas, mas que enquanto duram, são verdadeiras e que ficarão agarradas em nós para sempre, é uma boa forma de se estar.

Não creio, no entanto, que isso seja reflexo da busca pela felicidade, até porque na realidade, nos dias que correm estamos mais preocupados em sobreviver do que em viver, ou procurar seja o que for, pois não há tempo. A felicidade, e/ou infelicidade, é assim, consequência directa dos actos aleatórios. É um reflexo da experiência, que tal como as nossas, é muito própria e apenas para nós faz sentido.

Assim, ao contrário do que o bloguista Piloto disse, eu não tenho pena de ninguém, pois se continuam a tentar, é sinal que ainda vivem e que lutam por algo que se venha a assemelhar à felicidade, ou ao encantamento perpétuo, mesmo quando este não é a causa maior das suas vidas e apenas sua consequência.

Fará isto algum sentido?

4 Ideia(s):

Jorge Freitas Soares disse...

Faz, claro que faz, com outra perspectiva, eu poderia ter escrito este post.. .aliás, com outras palavras e noutro contexto, eu acho que escrevi este post... aqui:
http://oqueeojantar.blogs.sapo.pt/88717.html

Jorge

Iris R. Costa Barroso disse...

Jorge,

É verdade! Apesar do texto ser totalmente diferente e sobre sonhos, o sentimento e a forma de ver as coisas que está por trás do pensamento é o mesmo.

Já tinha saudades tuas por aqui,

Jorge Freitas Soares disse...

Eu venho muitas vezes.. ( na verdade leio todos os posts no reader) ... mas ando parco em comentários.

Jorge

Iris R. Costa Barroso disse...

Não faz mal...

Obrigada na mesma. Eu própria não ando com muito tempo.

Um abraço,

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!